terça-feira, 31 de julho de 2012

Santo Inácio de Loyola


31/07 - Ignacius de Loyola nasceu em 1491 no castelo da familia Loyola em Azpeitia na Espanha. Ele tornou-se um soldado em 1521 e foi ferido na perna durante o cerco de Pamplona. Durante o seu longo período de convalescência ele sofreu uma conversão notável e a transformação iluminada pelas leituras da vida de Cristo e da vida e vários santos fez com que ele em 1522 ficasse determinado a ser não só um cristão mas um santo. Saindo do castelo da família ele embarcou em uma peregrinação ao Monastério Beneditino de Monsserrat. Ali ele confessou seus pecados e colocou a sua espada no altar da Virgem Maria para a qual ele se dedicou com o "cavaleiro" da Virgem Maria. Vivendo por um tempo em contemplação e estudos em uma caverna, ele iniciou a escrita do seu famoso trabalho chamado "Exercícios Espirituais".

Ele deixou Manresa em 1523 e foi para Roma e de lá para Jerusalém onde ele converteu muçulmanos locais. Os franciscanos o convenceram a voltar para Barcelona onde ele ficou 11 anos estudando em Alcalá, Salamanda e Paris. Em março de 1534 ele recebeu o seu grau de mestrado.Durante este tempo Inácio reuniu um grupo de seguidores que fortaleceu a sua busca espiritual. Em 15 de agosto de 1534 na capela beneditina do Monastério de Paris eles tomaram os votos de pobreza,castidade e obediencia e uma especial esperança de expedições missionárias na Terra Santa. Este momento foi o nascimento da Sociedade de Jesus.

Eles foram a Itália e receberam a ordenação em 1537, mas ficou logo claro que a peregrinação a Terra Santa seria impossível. Assim eles se apresentaram ao Santo Padre e ofereceram os seu serviços. O Papa Paulo III (1534-1549) imediatamente reconheceu o potencial deles e deu sua aprovação verbal para a Ordem em 1539. A aprovação formal veio em 1540 através da Bula Papal "Regimini Militantis Ecclesiae". Inacio foi eleito o primeiro Provincial Geral da Ordem da Companhia de Jesus em 22 de abril de 1541.


O resto de sua vida ele se devotou a avançar a causa da Sociedade. Ele redigiu a Constituição da Ordem em 1550 e fundou o Colégio Romano (mais tarde chamado de Universidade Gregoriana)e iniciou o Colégio Germano em Roma para preparar padres para o esforço de recuperar a Alemanha perdida ao protestantismo. Inácio foi o responsável por criar uma ordem religiosa única e a mais significativa da historia da igreja. Os Jesuítas provaram ser uma corajosa e nova comunidade com uma devoção especial a Santa Sé , educados de forma brilhante e ampla, com especial atenção a teologia, a filosofia e a pregação missionária, eles se converteram nos melhores e mais preparados educadores e missionários da Igreja. Santo Inácio foi tambem o responsável pela implantação dos "Exercícios Espirituais", uma profunda coleção de meditações e regras, dirigidas a fortificar o desenvolvimento espiritual e a fé.

Santo Inácio de Loyola faleceu em 31 de julho de 1556 em Roma. Foi beatificado pelo Papa Paulo V em 1609 e canonizado pelo Papa Gregório XV em 22 de março de 1622. O Para Pio XI o declarou padroeiro dos exercícios espirituais e dos retiros espirituais.

O Jesuítas hoje tem 30.000 membros, 500 universidades e colégios, e ensinam a 200.000 estudantes a cada ano.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Santa Maria de Jesus Sacramentado Venegas

29/07 - Natividade Venegas de La Torre nasceu em 8 de setembro de 1868, em Jalisco, no México. A última de doze filhos, desde a adolescência cultivou uma devoção especial à eucaristia, exercendo obras de caridade e sentindo o forte desejo de consagrar-se totalmente ao Senhor no serviço ao próximo.

Só depois da morte prematura dos seus pais pôde unir-se ao grupo de senhoras que, com a aprovação do arcebispo local, dirigiam em Guadalajara um pequeno hospital para os pobres, o Hospital do Sagrado Coração. Em 1910, ela emitiu, de forma privada, os votos de pobreza, castidade e obediência.

As companheiras escolheram-na, em seguida, como superiora e, desse modo, com o conselho de eclesiásticos autorizados, transformou a sua comunidade numa verdadeira congregação religiosa, que assumiu o nome de Instituto das Filhas do Sagrado Coração de Jesus, aprovado em 1930 pelo arcebispo de Guadalajara. Na ocasião, madre Nati, como ficou conhecida, e as companheiras fizeram os votos perpétuos; e ela trocou o seu nome para o de Maria de Jesus Sacramentado.

Exerceu o cargo de superiora-geral entre 1921 e 1954, conseguindo conservar a sua fundação nos anos difíceis da perseguição religiosa. Amou e serviu a Igreja, cuidou da formação das suas co-irmãs, entregou a vida pelos pobres e sofredores, tornou-se um modelo de irmã- enfermeira. Após deixar a direção da sua Congregação, passou os últimos anos da vida, marcados pela enfermidade, em oração e recolhimento, dando mais um testemunho de sua abnegação.

Morreu com a idade de noventa e um anos, no dia 30 de julho de 1959.

O papa João Paulo II declarou-a bem-aventurada em 1992. Continuamente recordada e invocada pelo povo, que, pela sua intercessão, obteve diversos favores celestes, foi proclamada santa pelo mesmo sumo pontífice no ano 2000.

Santa Maria de Jesus Sacramentado Venegas, primeira mexicana canonizada, soube permanecer unida a Cristo na sua longa existência terrestre, por isso deu abundantes frutos de vida eterna, assim discursou o santo padre durante a solene cerimônia em Roma.

domingo, 29 de julho de 2012

Santa Marta




29/07 - As Escrituras contam que, em seus poucos momentos de descanso ou lazer, Jesus procurava a casa de amigos em Betânia, local muito agradável há apenas três quilômetros de Jerusalém. Lá moravam Marta, Lázaro e Maria, três irmãos provavelmente filhos de Simão, o leproso. Há poucas mas importantíssimas citações de Marta nas Sagradas Escrituras.

É narrado, por exemplo, o primeiro momento em que Jesus pisou em sua casa. Por isso existe a dúvida de que Simão fosse mesmo o pai deles, pois a casa é citada como se fosse de Marta, a mais velha dos irmãos. Mas ali chegando, Jesus conversava com eles e Maria estava aos pés do Senhor, ouvindo sua pregação. Marta, trabalhadora e responsável, reclamou da posição da irmã, que nada fazia, apenas ouvindo o Mestre. Jesus aproveita, então, para ensinar que os valores espirituais são mais importantes do que os materiais, apoiando Maria em sua ocupação de ouvir e aprender.

Fala-se dela também quando da ressurreição de Lázaro. É ela quem mais fala com Jesus nesse acontecimento. Marta disse a Jesus: "Senhor, se tivesses estado aqui, o meu irmão não teria morrido. Mas mesmo agora, eu sei que tudo o que pedires a Deus, Deus dará".

Trata-se de mais uma passagem importante da Bíblia, pois do evento tira-se um momento em que Jesus chora: "O pranto de Maria provoca o choro de Jesus". E o milagre de reviver Lázaro, já morto e sepultado, solicitado com tamanha simplicidade por Marta, que exemplifica a plena fé na onipotência do Senhor.

Outra passagem é a ceia de Betânia, com a presença de Lázaro ressuscitado, uma prévia da última ceia, pois ali Marta serve a mesa e Maria lava os pés de Jesus, gesto que ele imitaria em seu último encontro coletivo com os doze apóstolos.

Os primeiros a dedicarem uma festa litúrgica a santa Marta foram os frades franciscanos, em 1262, e o dia escolhido foi 29 de julho. Ela se difundiu e o povo cristão passou a celebrar santa Marta como a Padroeira dos Anfitriões, dos Hospedeiros, dos Cozinheiros, dos Nutricionistas e Dietistas.

sábado, 28 de julho de 2012

São Nazário e São Celso


28/07 - Nazário nasceu em Roma, ainda no primeiro século da era cristã. O pai era um pagão e se chamava Africano. A mãe, de nome Perpétua, era uma cristã fervorosa. Enquanto, ele desejava tornar o filho um sacerdote à serviço de um dos muitos deuses pagãos, ela o queria temente à Deus, no seguimento de Cristo, por isto, o educou dentro da religião. Assim, com apenas nove anos de idade, o menino pediu para ser batizado, definindo a questão e sendo atendido pelo pai, que algum tempo depois também se converteu.

Nazário foi batizado pelas mãos do próprio Papa São Lino, o primeiro sucessor de São Pedro, que fez dele um dos seus auxiliares diretos. Ingressou no exército romano e com ele percorreu toda a Itália, onde também pregava o Evangelho. Mas, ao ser descoberto foi levado à presença do imperador, que o mandou prender. Conseguindo fugir, abandonou Roma e se tornou um pregador itinerante, até que, durante um sonho, Deus lhe disse para sair da Itália.


Assim foi para a Gália, hoje França, sempre pregando a Palavra de Cristo. Em Cimiez, próximo de Nice, depois de converter uma nobre e rica senhora e seu filho, um adolescente de nome Celso, ela confiou o jovem à Nazário, que o fez seu discípulo inseparável. Juntos percorreram os caminhos da Gália, deixando para trás cidades inteiras convertidas, pois, durante as suas pregações aconteciam muitos milagres, à vista de todos os presentes.

Depois, foram para Treves, atualmente Trier, na Alemanha, onde fundaram uma comunidade cristã que se tornou tão famosa, que os dois acabaram sendo denunciados e presos. Condenados à morte, foram jogados na confluência dos rios Sarre e Mosel. E novo milagre ocorreu: em vez de afundar, os dois flutuaram e andaram sobre as águas. Assustados, os pagãos não tentaram mais matá-los, apenas os expulsaram do país.

Nazário e Celso foram então para Milão, onde mais uma vez se viram vítimas da perseguição pagã, imposta pelo imperador Nero. Presos e condenados, desta vez foram decapitados em praça pública.

Passados mais de dois séculos, em 396, os corpos destes dois mártires foram encontrados, pelo próprio Bispo de Milão, Ambrósio, também venerado pela Igreja. Durante suas orações, teve uma visão, que lhe indicou o local da sepultura de Nazário. Mas, para surpresa geral, a cabeça do mártir estava intacta, com os cabelos e a barba preservados e ainda dela escorria sangue, como se fora decapitado naquele instante. A revelação foi mais impressionante porque, durante as escavações, também encontraram o túmulo do jovem discípulo Celso, martirizado junto com ele.

Também foi por inspiração de Santo Ambrosio que esta tradição chegou até nós, pois ele a contou à São Paolino de Nola, seu discípulo e biógrafo. As relíquias de São Nazário e São Celso foram distribuídas às igrejas de várias cidades da Itália, França, Espanha, Alemanha, África e Constantinopla. Desta maneira, a festa dos dois Santos se difundiu por todo o mundo católico, sendo celebrados no dia em que Santo Ambrosio teve a revelação: 28 de julho.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

São Raimundo Zanfogni

27/07 - Raimundo Zanfogni voltava com sua mãe da Terra Santa, quando esta morreu. Tinha quinze anos quando retornou à sua terra natal, depois desta viagem. Ele nasceu em Piacenza, Itália, no ano de 1140. Mais tarde, se casou e teve cinco filhos, porém, todos morreram no mesmo ano. Nasceu então um outro, Geraldo, forte e sadio, mas, a esposa adoeceu e morreu quando o menino ainda era muito pequeno. Por isto, decidiu deixar o filho com os sogros, que o educaram no seguimento de Cristo, e se tornou um peregrino.

Primeiro foi à Santiago de Compostela, depois à Roma, de onde seguiu para Jerusalém e voltou novamente para Roma. Mas, aconteceu algo que o reconduz à Piacenza. Dizia ter recebido um aviso divino de que deveria retornar e cuidar dos pobres de sua cidade. E alí imediatamente iniciou a sua obra.

Raimundo passou a cuidar dos doentes e moribundos, num tempo em que não existia assistência aos necessitados. Fundou uma espécie de hospedaria-albergue onde tratava a todos com dedicação e dignidade, enxergando em cada um deles a face de Cristo. Como não tinha muitas posses, se tornou esmoler, para manter suas obras. Freqüentava todos os dias as igrejas, pregava pelas ruas e fazia procissões com seus pobres, solicitando a caridade das pessoas. Logo ele passou a abrigar também as crianças abandonadas, que se tornaram a grande razão de sua vida.

Além de dar abrigo e cuidado, afeto e carinho, ele catequizava à todos, na doutrina cristã. Era um simples leigo, tinha pouca instrução, mas possuía o dom da sabedoria e pregava com autoridade. Por isto, ele tomou a iniciativa de advertir publicamente o próprio Bispo, que não se posicionava com firmeza frente aos problemas da cidade. Na época, Piacenza e Cremona, passavam por constantes lutas, resultando em mortos inocentes. Servindo de mediador, Raimundo conseguiu solucionar o conflito.

Tornou-se o protetor dos pobres e das vítimas dos abusos de todos os gêneros, que ele mesmo acompanhava aos tribunais defendendo-os na frente dos juízes insensíveis e prepotentes. As autoridades do governo, por fim, passaram a consulta-lo em todas as questões que envolviam os pobres.

Ele faleceu, no dia 27 de julho de 1200, entre seus pobres e exortando ao filho Geraldo, que se tornasse sacerdote, o que de fato ocorreu, pouco tempo depois. Com fama de santidade em vida, foi sepultado próximo à Capela dos Doze Apóstolos. Logo as notícias de graças e prodígios se espalharam pela região e a casa dos seus pobres, passou a ser chamada de Hospedaria de São Raimundo Zanfogni. Mas ele só foi canonizado em 1602, pelo Papa Clemente VIII, que designou dia de sua morte, para a celebração litúrgica.




quinta-feira, 26 de julho de 2012

Beato Frei Tito Brandsma

26/07 - Nasceu frei Tito em 23 de fevereiro de 1881, perto de Bolsward, na Holanda. Entrou para a Ordem dos padre carmelitas, tendo sido ordenado sacerdote em 1905. Doutorou-se em filosofia em Roma. Foi professor na Universidade Católica de Neijmegen, chegando ao cargo de Reitor-Magnífico.

Foi nomeado assistente-eclesiástico dos jornalistas católicos. Tornou-se conhecido pela sua disponibilidade para com todos. Durante a ocupação alemã da sua pátria, lutou contra a ideologia nazista, defendendo a liberdade das escolas católicas e da imprensa. Escreveu contra a perseguição aos judeus: “no cumprimento da sua missão, a Igreja não conhece distinção de sexo, de raça ou nacionalidade”.

Frei Tito foi preso pela Gestapo. Após uma via-sacra de seis meses, atingiu o alto do calvário no campo de concentração de Dachau, onde foi morto com uma injeção de ácido fênico, em 26 de julho de 1942.

Do grão de trigo lançado à terra brota uma vida nova. A auréola do martírio testemunha a perene juventude de Deus: o compromisso até ao sangue do mártir anuncia que Deus não se cansa nunca, que não se senta à mesa dos opressores, mas insiste em habitar entre os pequeninos da terra. A 3 de novembro de 1985, Frei Tito Brandsma foi elevado às honras dos altares.

Fonte: www.carmelosantateresa.com

quarta-feira, 25 de julho de 2012

São Tiago


25/07 - Tiago nasceu doze anos antes de Cristo, viveu mais anos que Ele e passou para a eternidade junto a seu Mestre. Tiago, o Maior, nasceu na Galiléia e era filho de Zebedeu e Salomé, segundo as sagradas escrituras. Era, portanto, irmão de João Evangelista, os "Filhos do Trovão" como os chamara Jesus. É sempre citado como um dos três primeiros apóstolos, além de figurar entre os prediletos de Jesus, juntamente com Pedro e André. È chamado de "maior" por causa do apóstolo homônimo, Tiago filho de Alfeu, conhecido como "menor".

Nas várias passagens bíblicas, podemos perceber que Jesus possuía apóstolos escolhidos para testemunharem acontecimentos especiais na vida do Redentor. Um era Tiago, o Maior, que constatamos ao Seu lado na cura da sogra de Pedro, na ressurreição da filha de Jairo, na transfiguração do Senhor e na Sua agonia no Horto das Oliveiras.

Consta que, depois da ressurreição de Cristo, Tiago rumou para a Espanha, percorrendo-a de norte a sul, fazendo sua evangelização, sendo por isto declarado seu padroeiro. Mais tarde voltou a Jerusalém, onde converteu centenas de pessoas, inclusive dois mágicos que causavam confusão entre o povo com suas artes diabólicas. Até que um dia lhe prepararam uma cilada, fazendo explodir um motim como se fosse ele o culpado. Assim, foi preso e acusado de causar sublevação entre o povo. A pena para esse crime era a morte.

O juiz foi o cruel rei Herodes Antipas, um terrível e incansável perseguidor dos cristãos. Ele lhe impôs logo a pena máxima, ordenando que fosse flagelado e depois decapitado. A sentença foi executada durante as festas pascais no ano 42. Assim, Tiago, o Maior, se tornou o primeiro dos apóstolos a derramar seu sangue pela fé em Jesus Cristo.

No século VIII, quando a Palestina caiu em poder dos muçulmanos, um grupo de espanhóis trouxe o esquife onde repousavam os restos de São Tiago, o Maior, à cidade espanhola de Iria. Segundo uma antiga tradição desta cidade, no século IX o bispo de lá, teria visto uma grande estrela iluminando um campo, onde foi encontrado o túmulo contendo o esquife do apóstolo padroeiro. E a Espanha, que nesta ocasião, lutava contra a invasão dos bárbaros muçulmanos, conseguiu vence-los e expulsa-los com a sua ajuda invisível.

Mais tarde, naquele local, o rei Afonso II mandou construir uma igreja e um mosteiro, dedicados à Santiago, com isto a cidade de Iria passou a se chamar Santiago de Compostela, ou seja, do campo da estrela. Desde aquele tempo até hoje, o Santuário de Santiago de Compostela, é um dos mais procurados, pelos peregrinos do mundo inteiro, que fazem o trajeto à pé.

Essa rota, conhecida como "Caminho de Santiago de Compostela", foi feita também pelo Papa João Paulo II, em 1989. Acompanhado por milhares de jovens do mundo inteiro, foi venerar as relíquias do apóstolo São Tiago, o Maior, depositadas na magnífica Catedral das seis naves, concluída em 1122.

Fonte: http://www.catolicanet.com/

terça-feira, 24 de julho de 2012

Santa Cristina

24/07 - Cristina nasceu na Toscana (Itália), perto do lago de Bolsena, no ano 288 d.C., e com apenas 12 anos morreu mártir, no ano 300 d.C. Era filha de Urbano, oficial do exército em Tir, na Etrúria, parte da Toscana. Urbano era rude de sentimentos e inimigo dos cristãos. Em sua própria casa, muitas vezes os cristãos eram submetidos a interrogatórios humilhantes. Diante de tais cenas, Cristina se perguntava qual o motivo da serenidade e alegria dos cristãos, que ela já começava a admirar e venerar.

A resposta lhe veio por uma escrava cristã, que a preparou para o Batismo. Urbano desconfiava que a filha se interessasse pela comunidade cristã. Deu-lhe ordem de prestar culto a ídolos, queimando incenso. A menina negou-se a isso. Interrogada pelo pai, Cristina respondeu: "Tolo é vosso medo, tola a vossa advertência; diante de um deus cego aos sofrimentos do povo, surdo ao clamor dos fracos, eu não peço favores e não acendo uma vela. Ao Deus vivo, ao Senhor do céu e da terra que nos enviou seu Filho Jesus, a este, sim, apresento sacrifícios de verdade e amor".

A severidade do pai aumentou, mas Cristina respondia a isso participando da celebração da Eucaristia e de outras reuniões dos cristãos, visitando os encarcerados, dando esmola aos pobres. Sua coragem e caridade fizeram-na vender as imagens dos ídolos para adquirir bens em favor dos pobres. O pai ficou furioso. Por isso, Cristina foi chicoteada. Aos que lhe pediam que cedesse à vontade do pai, respondia: "Deixar a vida não me custa; abandonar minha fé, isto nunca".

Urbano prosseguiu na tortura: a filha, amarrada, foi lançada ao fogo. Conta a história que um anjo defendeu-a e as chamas não lhe queimaram. Ainda irado contra a filha, ordenou prendê-la. Então, mandou amarrar uma pedra de moinho em seu pescoço e lançá-la ao lago. Conta-se que após lançada às águas, a pedra de moinho veio à tona, não permitindo, assim, que Cristina se afogasse. A exaltação de Urbano foi tão grande que morreu de colapso.

Dio, sucessor de Urbano, também nada conseguiu de Cristina e, por isso, ordenou que fosse queimada viva. Segundo a história, o fogo não queimou a menina. Posta entre cobras, nenhuma a feriu. E tendo sua língua cortada, mesmo assim cantou os louvores do Senhor Jesus Cristo. Então, o juiz, enraivecido com os triunfos da jovem, ordenou sua morte a flechadas. Com isso foi-lhe tirada a vida terrena e ela entrou na glória eterna.

Deus escolhe o que é fraco para confundir os fortes. Na fraqueza física desta adolescente, Ele mostrou a força da perseverança na fé, que deve animar cada cristão.

O testemunho de Cristina está ai: "Foi fiel a seu Deus, apesar de inúmeros e imensos obstáculos que teve de enfrentar em sua tenra idade".


segunda-feira, 23 de julho de 2012

Santa Brigída


23/07 - Brígida ou Brigite, nasceu princesa, em 1303, no castelo de Finstad, na Suécia. Descendia de uma casa real muito pia, que forneceu à Igreja muitos Santos e que se dedicava à construir mosteiros, igrejas e hospitais com a própria fortuna. Além de manter muitas obras de caridade para a população pobre, Brígida, desde a infância tinha o dom das revelações divinas, todas anotadas por ela no seu idioma sueco. Depois as descrições foram traduzidas para o latim e somaram oito grandes volumes, que ainda hoje são fontes de consulta para historiadores, teólogos e fiéis cristãos.

Aos dezoito anos ela se casou com o nobre chamado Ulf Gudmarsson, um homem cristão e muito piedoso. O casal teve oito filhos, dentre os quais, a filha venerada como Santa Catarina da Suécia. Era com rigor que eles cuidavam da educação religiosa e acadêmica dos filhos, sempre no caminho para a santificação em Cristo. Durante um longo período Brígida foi dama de companhia da rainha Bianca, de Namur, por isto, freqüentava sempre as cortes luxuosas. Mas não se corrompeu neste ambiente de riquezas frívolas, ao contrário, manteve-se fiel aos ensinamentos cristãos, perseverando seu espírito na dignidade e na caridade da fé.

Após a morte de um dos seus filhos, o casal resolveu fazer uma peregrinação ao santuário de Santiago de Compostela, na Espanha. No retorno, Ulf caiu gravemente enfermo, nesta ocasião, Brígida em sonho teve uma revelação de São Dionísio que lhe disse que o marido não morreria. De fato ele ficou curado, mas logo em seguida ingressou no mosteiro de Alvastra, onde vivia um dos seus filhos e lá morreu, em 1344.
Viúva, Brígida decidiu se retirar definitivamente para a vida monástica, para realizar um velho projeto. A fundação de um mosteiro duplo, de homens e mulheres, que deu origem à Ordem do Santo Salvador, sob as regras de São Agostinho, passando então à viver nele. Quando obteve aprovação canônica, a fundadora transferiu-se para Roma.
Ali viveu por vinte e quatro anos, trabalhando pela reforma dos costumes e a volta do Papa de Avignon. Com o apoio do rei da Suécia, construiu e instaurou setenta e oito mosteiros por toda a Europa. Ela morreu em 23 de julho de 1373, durante uma romaria à Terra Santa.
Desde então a Ordem fundada por ela passou a ser dirigida por sua filha, Catarina da Suécia, alcançando notoriedade pelos anos futuros. Canonizada em 1391, apenas dezoito anos após sua morte, Santa Brígida já tinha um culto muito vigoroso em todo o mundo cristão da Europa, sendo celebrada no dia de sua morte. O local onde residia em Roma, foi transformado em um belíssima igreja dedicada à ela, na praça Farnese.

domingo, 22 de julho de 2012

São Felipe Evans

22/07 - Phillip nasceu no Condado de Monmouthshire, no País de Gales, em uma família não nobre, mas rica em recursos financeiros, o que veio a lhe proporcionar uma infância feliz e extremamente proveitosa na formação de seu caráter, já que seus pais, pouco antes, haviam feito sua opção pelo Catolicismo, enfronhando-se nele de corpo e alma, já que inteiramente disponíveis à Igreja de Jesus.

Foi em razão dessa opção de seus pais, que toda sua educação teve condução Católica, numa atitude louvável e acima de qualquer corporativismo ou algo semelhante, já que o ensino nas escolas dirigidas por Ordens religiosas submetidas a Roma, sempre se colocou entre os de maior excelência.

Assim que atingida a idade de quinze anos, ocasião em que a direção do ensino se volta mais à definição do futuro do aluno, seus pais internaram-no no Colégio Inglês da Cidade de Saint Omer, escola que seguia a rígida instrução do Colégio Jesuíta de Roma, fundado pelo Papa Gregório XIII.

Do Colégio Inglês para a Companhia de Jesus, a passagem praticamente se fazia automática, principalmente para os que manifestavam a explícita vontade de ingressar na vida religiosa. E essa ponte foi galharda e alegremente atravessada por Phillip, em 1665.

Tendo iniciado sua vida na Companhia de Jesus pelo aprendizado de Filosofia, ali mesmo fez seguir-se a este o de Teologia e todos os demais que o habilitariam a vestir o santo hábito jesuíta. Era o ano de 1675 e Phillip completava 30 anos de idade.

Um importante registro que nos permite vislumbrar o real perfil de São Felipe Evans, é o que seu Provincial inscreveu em sua folha escolar: "...Ele tem um comportamento maravilhosamente aberto e disponível, amigável, sem nuvens ou rugas. Sua testa está sempre livre"

Tão logo ordenado e retornando ao País de Gales, São Felipe teria que enfrentar grande perigo. Pouco antes, um “sacerdote”, de nome Oates, posteriormente conhecido por “o perjuro”, havia declarado que a Igreja Romana organizava um complô, com o fim específico de assassinar o Rei Charles II, conspiração esta a ser montada e dirigida pelos Jesuítas.

Em razão dessa absurda acusação, desprovida de qualquer indício de verdade, os freis dessa Ordem passaram a ser perseguidos por todo o Reino Unido. Era uma situação que requeria, mais que cautela, a cessação de qualquer atividade que pudesse identificar seu autor como jesuíta. Muitos assim o fizeram, só que São Felipe, assim como seu parceiro de evangelização, São João (John) Lloyd, jamais se dobrariam ante tal situação.

Com o apoio de Católicos de grande Fé e coragem, São Felipe, de oratória empolgante, passou a rezar missas para grupos de fiéis que acorriam aos locais cuidadosamente divulgados, principalmente em razão de suas homilias, transbordantes de Amor.

Foram inúmeras as concentrações formadas para assistir-se a suas pregações. Isto até que, denunciado por protestantes interessados na cessação de tais celebrações, por seu grande poder de conversão, São Felipe foi feito prisioneiro e levado a cárcere no Castelo de Dunraven.

Por duas vezes, um Juiz e um Governador oferecem a Felipe a liberdade, a troco de sua negação aos votos jesuíticos. A firme recusa irrita tais autoridades que, assim, estabelecem para São Felipe a pena de isolamento, na chamada Torre Negra, impondo-lhe a permanência em calabouço sem qualquer tipo de iluminação e/ou ventilação.

Chamado à razão por sua consciência, vinte dias depois o Governador manda que São Felipe seja transferido para uma cela menos desumana, onde passa a conviver com São João Lloyd, como ele também alcançado pelas garras da intolerância aos jesuítas.

Daí até seu “julgamento”, baseado no testemunho de pessoas compradas, cada uma dela pelo valor de 100 libras, ambos eram regularmente espancados, sendo que, ao final de cada sessão se lhes oferecia a oportunidade da abjuração, nunca aceita.

No tribunal, as mais horríveis acusações são feitas a Felipe, que simplesmente as nega, numa atitude desconsiderada pelos jurados que, então, por indicação unânime, levam o Juiz a decretá-lo culpado, sentenciando-o à pena máxima, ou seja, à morte. Felipe simplesmente encara, um a um, seus algozes e num gesto de extrema bondade agradece-os e os perdoa.

Nos dias que intermediam a sentença e sua execução, apiedados, seus carcereiros atendem a um seu pedido e lhe entregam uma harpa. E é assim, tocando e entoando hinos católicos, que São Felipe aguarda sua passagem para a Eternidade Santa, que sabia vir-lhe em recompensa, por tudo o que fizera em favor da Igreja de Jesus Cristo.

Assim, a 22 de Julho de 1679, acompanhado de São João Lloyd, São Felipe é levado ao local onde se erguera o cadafalso. Sem demonstrar o mínimo temor, energizados por sua Fé, antes de subirem até os pés da forca, ambos ajoelham-se e beijam o cadafalso, para assombro de seus condutores.

Conforme costume da época, ao lhe serem permitidas suas últimas palavras, São Felipe declara: “Me sinto imensamente feliz. Morro por Deus e por minha Religião assim, como morreria tantas vezes, quantas fossem as vidas que eu tivesse. Agradeço a Deus e a todos de quem conquistei Amor e de quem só peço orações. Adeus, meu amigo John. Dentro em breve estaremos novamente juntos, no Céu. Senhor, em tuas mãos eu entrego a minha alma”.

Era o dia 22 de Julho de 1679, ano em que São Felipe completaria 34 anos de idade.

Um dos Quarenta Mártires da Inglaterra e País de Gales, São Felipe foi canonizado em 25 outubro 1970 pelo Papa Paulo VI, que também decretou como sua data festiva no Calendário Litúrgico da Igreja de Jesus, todos os dias 22 de Julho que vierem a se suceder.

















sábado, 21 de julho de 2012

São Lourenço de Brindisi



21/07 - Geralmente, as chamadas "crianças superdotadas", aquelas que demonstram um dom excepcional para alguma especialidade, quando crescem, parecem "perder os poderes" e nivelam-se com as demais pessoas. São poucas as exceções que merecem ser recordadas. Mas, com certeza, uma delas foi Júlio César Russo, que nasceu no dia 22 de julho de 1559, em Brindisi, na Itália.

Seu nome de batismo mostrava, claramente, a ambição dos pais, que esperavam para ele um futuro brilhante, como o do grande general romano. Realmente, anos depois, lá estava ele à frente das forças cristãs lutando contra a invasão dos turcos muçulmanos, que ameaçava chegar ao coração da Europa depois de ter dominado a Hungria. Só que não empunhava uma espada, mas sim uma cruz de madeira. Nessa ocasião, já vestia o hábito franciscano, respondia pelo nome de Lourenço e era o capelão da tropa, além de conselheiro do chefe do exército romano, Filipe Emanuel de Lorena.

Vejamos como tudo aconteceu. Aos seis anos de idade, o então menino Júlio César encantava a todos com o extraordinário dom de memorizar as páginas de livros, em poucos minutos, para depois declamá-las em público. E cresceu assim, brilhante nos estudos. Quando ficou órfão, aos quatorze anos de idade, foi acolhido por um tio, que residia em Veneza. Nessa megalópole, pôde desenvolver muito mais os seus talentos para os estudos.

Mas a religião o atraia de forma irresistível. Dois anos após chegar a Veneza, ele atendeu ao chamado e ingressou na Ordem dos Frades Menores de São Francisco de Assis. Em seguida, juntou-se aos capuchinhos de Verona, onde recebeu a ordenação e assumiu o novo nome, em 1582. Depois, completou sua formação na Universidade de Pádua. Voltou para Veneza em 1586, como professor dos noviços da Ordem, sempre evidenciando os mesmos dotes da infância.

Tornou-se especialista em línguas e sua erudição levou-o a ocupar altos postos em sua Ordem e também a serviço do sumo pontífice. Foi provincial em Toscana, Veneza, Gênova e Suíça e comissário no Tirol e na Baviera, pregando firmemente a ortodoxia católica contra a Reforma Protestante, além de animar as autoridades e o povo na luta contra a dominação dos turcos muçulmanos. Lourenço foi, mesmo, o superior-geral da sua própria Ordem e embaixador do papa Paulo V, com a missão de intermediar príncipes e reis em conflito.

Lourenço de Brindisi morreu no dia do seu aniversário, em 1619, durante sua segunda viagem à Península Ibérica, na cidade de Lisboa, em Portugal. Foi canonizado em 1881 e recebeu o título de doutor da Igreja em 1959, outorgado pelo papa João XXIII. A sua festa é celebrada um dia antes do aniversário de sua morte, dia 21 de julho.


sexta-feira, 20 de julho de 2012

Santo Aurélio

20/07 - Figura exemplar de bispo, Santo Aurélio dirigiu á Igreja de Cartago, na África dos anos 392 à 429. Como diácono distinguiu-se pela sua caridade para com os pobres e pelo zelo e pureza do culto da liturgia.

Aurélio foi contemporâneo e amigo de Santo Agostinho. Agostinho estimava Aurélio pelo zelo, ação pastoral e santidade de vida. Aurélio talvez não tivesse muita preparação literária, como Agostinho, mas era homem de Deus, formado na Tradição eclesiástica, verdadeiro pastor homem de governo, piedade e prudência.

Como bispo da mais antiga diocese da África Latina, Cartago, Aurélio tinha direitos superiores sobre todos os bispos da região, que eram quase trezentos.

Agostinho que era da sede episcopal de Hipona, vizinha de Cartago diz muito sobre Aurélio: que era cuidadoso para com as coisas divinas, interditou as ruidosas e mundanas festas por ocasião da comemoração dos mártires. Eliminou os últimos sinais do culto pagão em Cartago. Deu liberdade aos sacerdotes de pregar na igreja catedral, até então privilégio só do bispo. Introduziu o canto, dos Salmos durante as funções litúrgicas.

Durante seus quase quarenta anos de episcopado, Aurélio convocou e dirigiu vinte sínodo de bispos, onde lutou pela unidade da fé e contra as heresias que dividiam a Igreja.

Das atas dos sínodos se deduz que Aurélio desfrutava de grande prestígio. Os bispos chamavam-no de “Santo Papa Aurélio”.

Era estimado pelo Papa Santo Inocêncio I e por São João Crisóstomo, o grande patriarca de Constantinopla. Aurélio faleceu no fim do ano 429, poucos meses antes de Agostinho.

A Igreja Africana, desde o século VI comemora sua morte no dia 20 de julho e a Igreja Universal o colocou no catálogo dos santos.

Fonte: www.meninojesusdepraga.org.br por Regina Céli Pinhata Novelini













quinta-feira, 19 de julho de 2012

São Serafim de Sarov

19/07 - Prothor Moshnim nasceu em 1759, na cidade de Kursk, na Rússia, onde seus pais eram comerciantes. Aos dez anos, ficou muito doente. Nossa Senhora apareceu-lhe em sonho prometendo que seria curado por ela. De fato, alguns dias depois ele se recuperou, após tocar no quadro de Nossa Senhora durante uma procissão.

Desde menino, gostava de ler o Evangelho, ir à igreja e isolar-se para rezar. Confirmou sua vocação na idade de dezoito anos, quando ingressou no Mosteiro de Sarov. Lá, fez seus votos de abstinência, vigília e castidade. Costumava isolar-se em uma choupana numa floresta próxima, dedicado às orações e penitências. Mas durante três anos teve de ficar numa cama, após adoecer gravemente. Novamente, a Virgem Maria apareceu-lhe, dessa vez acompanhada por alguns santos, e curou-o após tocá-lo.

Aos vinte e sete anos, recebeu o hábito de monge e tomou o nome de Serafim, que em hebraico significa ardente. Tinha o dom de ver os anjos, santos, Nossa Senhora e Jesus Cristo também. Numa liturgia, viu o próprio Jesus entrando na igreja junto com os anjos e santos e abençoando o povo que estava na igreja. Serafim ficou tão atônito que por muito tempo perdeu a voz.

Sete anos depois, ele se isolou no interior da floresta, onde alcançou uma grande perfeição espiritual. Mas foi atacado por ladrões e seriamente ferido. Mesmo tendo uma constituição física muito forte, e na mão um machado, ele não ofereceu nenhuma resistência. E como não tinha dinheiro foi espancado, quase morrendo. Em seguida, os ladrões foram detidos e no julgamento o monge intercedeu por eles. Desde então, Serafim ficou curvado para o resto da vida.

Depois desse episódio, iniciou um período de penitência. Ficou durante mil dias e mil noites isolado na floresta. De dia ficava ajoelhado numa pedra com as mãos erguidas para o céu e à noite desaparecia dentro da floresta. Após outra aparição de Nossa Senhora, quase no final de sua vida, Serafim adquiriu o dom da transfiguração do Espírito Santo e tornou-se um guia espiritual dentro do mosteiro. Milhares e milhares de pessoas, de todas as classes sociais, foram enriquecidas com os seus ensinamentos. Para todos, apresentava-se radiante, humilde e caridoso. Dizia: "Alegria não é pecado. Ela afugenta o cansaço, que pode se transformar em desânimo; e não há nada na vida pior do que o desânimo".

Serafim morreu deixando claro o ensinamento que seguiu a vida toda: "É preciso que o Espírito Santo entre no coração. Tudo aquilo que nós fazemos de bom por causa de Cristo dá-nos a presença do Espírito Santo, mas a oração, que está sempre ao nosso alcance, no-lo dá muito mais". A igreja do Mosteiro de Sarov, na cidade de Krusk, abriga os seus restos mortais.






quarta-feira, 18 de julho de 2012

São Frederico

18/07 - Frederico, neto de Radbodo, rei dos Frisonos, foi elevado (aos altares) com os clérigos da igreja de Utrecht que edificou por suas virtudes, suas austeridades, suas orações fervorosas.

Eleito bispo de Utrecht em 820, trabalhou para evangelizar o Norte da Frísia, reprovou com liberdade apostólica a conduta de Judith, segunda esposa de Luiz o Debonário, atraindo assim o ressentimento desta princesa. Frederico passou pela Ilha de Walcheren para lá combater os abusos das uniões incestuosas.

Um dia, enquanto fazia suas orações e ações de graças na capela de São João Batista, dois capangas enviados por Judith atingiram-no a golpes de punhal. Frederico morreu recitando as palavras do Salmo 114: “Na presença do Senhor continuarei o meu caminho na terra dos vivos.”

Fonte: http://hagiosdatrindade.blogspot.com.br

terça-feira, 17 de julho de 2012

Santa Maria Madalena Postel

17/07 - No dia 28 de novembro de 1758, nasceu a filha primogênita do casal Postel, camponeses de uma rica fazenda em Barfleur, na Normandia, França. A criança foi batizada com o nome de Júlia Francisca Catarina, tendo como padrinho aquele rico proprietário.

Júlia Postel teve os estudos patrocinados pelo padrinho, que, como seus pais, queria que seguisse a vida religiosa. Ela foi aluna interna do colégio da Abadia Real das Irmãs Beneditinas, em Volognes, onde se formou professora. No início, não pensou na vida religiosa, sua preocupação era com a grande quantidade de jovens que, devido à pobreza, estavam condenadas à ignorância e à inferioridade social.

De volta à sua aldeia natal, Júlia Postel, com determinação e dificuldade, criou uma escola onde lecionava e catequizava crianças, jovens e adultos abandonados à ignorância, até do próprio clero da época, que desconhecia a palavra “pastoral”. Era solicitada sempre pelos mais infelizes: pobres, órfãos, enfermos, idosos, viúvas, que a viam como uma mãe zelosa, protetora, que não os abandonava, sempre cheia de fé em Cristo. Aos ricos pedia ajuda financeira e, quando não tinha o suficiente, ia pedir esmolas, pois a escola e as obras não podiam parar.

A Revolução Francesa chegou arrasadora, em 1789, declarando guerra e ódio ao trono e à Igreja, dispersando o clero e reduzindo tudo a ruínas. Júlia Postel fechou a escola, mas, a pedido do bispo, escondeu em sua casa os livros sagrados e o Santíssimo Sacramento e foi autorizada a ministrar a comunhão nos casos urgentes. Organizou missas clandestinas e instruiu grupos de catequistas para depois da Revolução. Sua vocação religiosa estava clara.

No dia 13 de fevereiro de 1798 se faz terceira franciscana. Não muda muito sua vida ascética; de São Francisco de Assis aprende a generosidade e o amor a Deus e aos irmãos, o fervor na oração e no apostolado.

A paz com a Igreja foi restabelecida em 1802. Juntamente com duas colegas e a ajuda do padre Cabart, Júlia Postel fundou a Congregação das Filhas da Misericórdia, em Cherbourg. Ao proferir seus votos, escolheu o nome de Maria Madalena. A princípio, a formação das religiosas ficou voltada para o ensino escolar e foi baseada nos mesmos princípios dos irmãos das escolas cristãs, já que na época era grande essa necessidade. Essas religiosas, aos poucos, foram se espalhando por todo o território francês. Depois, a pedido de Roma, a formação foi mudada, passando a servir como enfermeiras.

Em 1832, madre Maria Madalena, junto com suas irmãs, estabeleceu-se nas ruínas da antiga Abadia Beneditina de Saint-Sauveur-le-Vicomte. Foi reconstruída com dificuldade e tornou-se a Casa-mãe da congregação. Madre Maria Madalena Postel morreu com noventa anos de idade, em 16 de julho de 1846. A fama de sua santidade logo se espalhou pelo mundo cristão.

Foi beatificada em 1908, e depois canonizada pelo papa Pio XI, em 1926. Está sepultada em Saint-Sauveur-le-Vicomte. A sua festa acontece no dia 17 de julho e a sua obra, hoje, chama-se Congregação das Irmãs de Santa Maria Madalena Postel.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Nossa Senhora do Carmo




16/07 - Na história da Igreja, a ordem das Carmelitas é uma das mais antigas e tem como modelo e patriarca o Profeta Elias. O culto a Maria, honrada como a Bem-aventurada Virgem do Carmo. Na Sagrada Escritura fala-se da beleza do Monte Carmelo, onde o profeta Elias defendeu a fé do povo de Israel no Deus vivo e verdadeiro. "Em lembrança da visão que mostrou ao profeta a vinda desta Virgem sob a figura de uma pequena nuvem que saía da terra e se dirigia para o Carmelo (Cf.1Rs 18,20-45), os monges, no ano 93 da Encarnação do Filho de Deus, destruíram sua antiga casa e construíram uma capela no monte Carmelo, perto da fonte de Elias, em honra desta primeira Virgem voltada a Deus".

As gerações dos monges se sucederam através dos tempos e expulsos pelos sarracenos no século XIII, os monges que haviam recebido do patriarca de Jerusalém, Santo Alberto, então bispo de Vercelas, uma regra aprovada em 1226 pelo Papa Honório III, baseada no trabalho, na meditação das Escrituras, na devoção a Nossa Senhora, na vida contemplativa e mística, se voltaram ao Ocidente e aí fundaram vários mosteiros, superando várias dificuldades, podendo experimentar a proteção da Virgem. O superior geral nesta época, era São Simão Stock. Quando em suas orações pedia a Nossa Senhora proteção para a ordem dos Carmelitas dos perseguidores, a Mãe de Deus apareceu acompanhada de multidão de anjos, segurando nas mãos o escapulário da ordem e lhe disse: Eis o privilégio que dou a ti e a todos os filhos do Carmelo: todo o que for revestido deste hábito será salvo. Numa bula de 11 de fevereiro de 1950, o Papa Pio XII convidava a "pôr em primeiro lugar, entre as devoções marianas, o escapulário que está ao alcance de todos", entendido como veste mariana, esse é de fato ótimo símbolo da proteção da Mãe Celeste, o seu valor das orações da Igreja, da confiança e amor dos que o usam.

Oremos: Por intercessão de N.S.do Carmo protegei-nos de todos os perigos e dai-nos a graça de termos uma boa morte, não nos deixeis abandonados ao nosso egoísmo, indiferença, ódio e rancor. Protegei nossas famílias fazendo crescer em nossos corações o amor aos nossos irmãos. Amém.

domingo, 15 de julho de 2012

São Boaventura

15/07 - O santo de hoje foi bispo e reconhecido doutor da Igreja do Cristo que chamou pescadores e camponeses para segui-lo no carisma de Francisco de Assis, mas também homens cultos e de ciência. São Boaventura era um destes homens de muita ciência, porém, de maior humildade e conhecimento de Deus, por isto registrou o que vivia.

Escreve ele: "Não basta a leitura sem a unção, não basta a especulação sem a devoção, não basta a pesquisa sem maravilhar-se; não basta a circunspecção sem o júbilo, o trabalho sem a piedade, a ciência sem a caridade, a inteligência sem a humildade, o estudo sem a graça".

Boaventura nasceu no centro da Itália em 1218, e ao ficar muito doente recebeu a cura por meio de uma oração feita por São Francisco de Assis, que percebendo a graça tomou-o nos braços e disse: "Ó, boa ventura!". Entrou na Ordem Franciscana e, pela mortificação dos sentidos e muita oração, exerceu sua vocação franciscana e sacerdócio na santidade, a ponto do seu mestre qualificar-lhe assim: "Parece que o pecado original nele não achou lugar".

São Boaventura, antes de se destacar como santo bispo, já chamava - sem querer - a atenção pela sua cultura e ciência teológica, por isso, ao lado de Santo Alberto Magno e Santo Tomás de Aquino, caracterizaram o século XIII como o tempo de sínteses teológicas.

Certa vez, um frei lhe perguntou se poderia salvar-se, já que desconhecia a ciência teológica; a resposta do santo não foi outra: "Se Deus dá ao homem somente a graça de poder amá-Lo isso basta... Uma simples velhinha poderá amar a Deus mais que um professor de teologia". O Doutor Seráfico, assumiu muitas responsabilidades, como ministro geral da Ordem Franciscana, bispo, arcebispo, até que depois de tanto trabalhar, ganhou com 56 anos o repouso no céu.



sábado, 14 de julho de 2012

São Francisco Solano

14/07 - Apóstolo do Novo Mundo, Francisco nasceu em Montilla (Córdoba, Espanha) a 10 de março de 1549, terceiro filho de Mateus Sánchez Solano e de Ana Jiménez, família abastada e de nobre ascendência. Fez seus estudos em Córdoba, junto dos jesuítas onde mostrou ser pessoa dotada de viva inteligência, dada à contemplação e à caridade. Antes de concluir os estudos de medicina, que havia iniciado com brilhantismo, pediu para ingressar na Ordem dos Frades Menores da Provincia de Granada. Em 1569, vestiu o hábito dos frades e, no ano seguinte, emitiu a profissão religiosa.

Sempre muito austero, paciente, humilde e perfeito na observância da Regra, continuou os estudos de filosofia e teologia no Convento de Santa Maria de Loreto, em Sevilha, morando em minúsculo canto do coro. Celebrou sua primeira missa a 4 de outubro de 1576. Em 1581 foi nomeado mestre de noviços do convento de Arruzafa (Córdoba), ofício que continuou a desempenhar no Convento de São Francisco do Monte da Serra Morena para onde foi transferido em 1583 e onde exerceu depois as funções de guardião e de pregador. Em todas as partes, acompanhava-o a fama de santidade e de taumaturgo devido aos milagres que realizava. Quando ocorreu o alastramento da peste bubônica na vizinha cidade de Montoro, voluntariamente se ofereceu para cuidados dos empestados. Transferido em 1587 para o convento de São Luis da Zubia, perto de Granada, foi eloqüente e estimadíssimo pregador popular e apóstolo entre os doentes e presidiários em todo o território circunvizinho.

Uma vez abandonada a idéia de se dirigir aos países muçulmanos para morrer mártir querendo assim fugir da veneração do povo, pediu para fazer parte da expedição missionária destinada à América. No dia 28 de fevereiro de 1589, partiu no navio Sanlucar de Barrameda com outros onze confrades conduzidos pelo padre Baltazar Navarro, custódio de Tucuman, e chegou a Cartagena, na Colômbia, em maio do mesmo ano. Daí continuou até Nome de Deus, no Panamá, que atravessou a pé até atingir as margens do Pacífico.

Quando se dirigia ao Peru, o galeão em que viajava com o grupo, afundou perto da ilha de Górgona em frente à Colômbia. Francisco se considerou pastor desta comunidade de desesperados, entre as quais, muitos escravos. Depois de dois meses de sofrimento foram recolhidos em outra embarcação e levados até um porto ao norte do Peru. O santo frade continuou a viagem a pé até a cidade de Lima. Foi, então, designado imediatamente missionário na longínqua Tucuman, ao norte da Argentina. Para lá chegar deveria fazer a cansativa viagem de três mil quilômetros através dos Andes a pé ou sobre o lombo de um pobre animal.

Tendo chegado a Tucuman em novembro de 1590 foi lhe dada a incumbência da Custódia Franciscana de São Jorge, fundada em 1565, com a finalidade de ocupar-se das missões. Vencendo não poucas dificuldades de língua, fundou a missão ou redução de Socotonio e Madalena, das quais foi doctrinero (pároco missionário), exercendo ministério junto a indígenas Diaguitas, dos quais se tornou evangelizador, civilizador, pacificador e defensor, tendo sido muitas vezes agraciado com dom das línguas. Entre todas as suas grandezas conta-se a da pacificação desta população rebelde na quinta-feira santa de 1591. São atribuídos a Francisco duzentas mil conversões e batizados de infiéis. Em 1592 estendeu seu apostolado aos brancos e “crioulos” .

Em 1595 foi chamado pela obediência a dirigir-se ao Peru onde foi nomeado guardião do convento de recoleção de Santa Maia dos Anjos em Lima, cargo que renunciou considerando-se sem capacidade e sem méritos para o exercício. Em 1602 foi transferido para Trujillo, onde exerceiu a função de guardião. Pregador enérgico e inspirado ficou célebre com o fato de ter profetizado em 12 de novembro de 1603 a destruição da cidade, que aconteceu em 14 de fevereiro de 1619. Tendo voltado a Lima e nomeado ainda uma vez guardião, no dia 20 de dezembro de 1604 percorreu ruas e praças da cidade com um crucifixo nas mãos provocando um tal estado de comoção que obrigou o vice-rei a intervir. Mesmo sendo muito austero, mostrava-se alegre e costumava tocar violino para alegrar-se a si mesmo e aos confrades e também como instrumento de pastoral para aproximar-se dos índios.

Devido às suas penitências, nos últimos tempos de sua vida, viveu no convento-enfermaria conhecido como Máximo de Jesus ( hoje São Francisco), em Lima. Durante o terremoto de 1609, padre Francisco levantando-se com dificuldade queria confortar a população com sua palavra de fé. Não conseguiu mais recuperar a saúde. Morreu santamente em Lima a 14 de julho de 1610, enquanto, a seu pedido, os frades cantavam o Credo. Suas últimas palavras foram: “Glorificetur Deus”. Foi sepultado na igreja do convento. Seu corpo foi carregado pelo arcebispo de Lima, pelo vice-rei e por outros personagens ilustres.

Foi canonizado por Bento XIII a 27 de dezembro de 1726.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Santo Henrique

13/07 - Muitos acusam a Idade Média como um "tempo de trevas" na História, e não tem como não pensar isto se não abrirmos os olhos e olharmos para o alto, pois neste lugar é que se encontram as luzes deste período, ou seja, os inúmeros santos e santas. Henrique faz parte deste "lustre", pois viveram - ele e sua esposa Santa Cunegundes - uma perfeita harmonia de afetos, projetos e ideais de santidade.
Henrique, primogênito do duque da Baviera, nasceu num belíssimo castelo às margens do rio Danúbio, em 973, e recebeu o mesmo nome do seu pai. Veio ao mundo para reinar, desfrutando de todos os títulos e benesses que uma corte imperial pode proporcionar ao seu futuro soberano, com os luxos e diversões em abundância. Por isto, foi uma grata surpresa para os súditos verem que o jovem se resguardou da perdição pela esmerada criação, dada por sua mãe.

Seu pai, antes conhecido como "o briguento", abriu seu coração à orientação da esposa, católica fervorosa, que anos depois seu apelido foi mudado para "o pacífico". Assim, seus filhos receberam educação correta e religiosamente conduzida nos ensinamentos de Cristo. Um dos irmãos de Henrique, Bruno, foi o primeiro a abandonar o conforto da corte para se tornar padre e, depois, Bispo de Augusta. Das irmãs, Brígida se fez monja e Gisela, Beata da Igreja, foi mulher do rei Estevão da Hungria, também um Santo.

O príncipe Henrique, na idade indicada, foi confiado ao Bispo de Ratisbona, São Wolfgang, e com ele se formou cultural e espiritualmente. A tradição germânica diz que uma noite Henrique sonhou com o seu falecido diretor espiritual, São Wolfgang. Este teria escrito na parede do quarto do príncipe: "entre seis". Henrique julgou que morreria dali a seis dias, o que não ocorreu. Depois, achou que a morte o alcançaria dali a seis meses. Isso também não aconteceu. Mas, seis anos após o sonho, ele assumiu o trono do Sacro Império Romano Germânico, coroado pelo Papa Bento VIII, quando da morte de seu pai.

Henrique II não poderia ter comandado o povo com mais sabedoria, humildade e cristandade do que já tinha. Promoveu a reforma do clero e dos mosteiros. Regeu a população com justiça, bondade e caridade, freqüentando com ela a Santa Missa e a Eucaristia. Convocou e presidiu os Concílios de Frankfurt e Bamberg. Realizou ainda muitas outras obras assistenciais e sociais. Modelo de governante católico, empenhou-se na propagação da Fé, tendo papel de grande importância para a conversão de seu cunhado Santo Estêvão, rei da Hungria. Procurou restaurar, conforme a espiritualidade de Cluny, o espírito monástico então decadente, sendo nesse ponto aconselhado por Santo Odilon, abade de Cluny.

Ao mesmo tempo em que defendia o povo e a burguesia contra os excessos de poder dos orgulhosos fidalgos, estabeleceu a paz com Roberto, rei da França. Com o fim da guerra, reconstruiu templos e mosteiros, destinando-lhes generosas contribuições para que se desenvolvessem e progredissem. Enfim, ao lado da esposa Cunegundes, agora Santa, concedeu à população incontáveis benefícios sociais e assistenciais, amparando os mais necessitados e doentes. O casal chegou a fazer voto eterno de castidade, para que, com mais firmeza de espírito, pudessem se dedicar apenas a fazer o bem ao próximo. Por sua insistência, o papa Bento VIII prescreveu o uso do Credo Niceno-Constantinopolitano aos domingos na missa em 1014.

Henrique II morreu em 13 de julho de 1024 e foi sepultado em Bamberg. Foi canonizado em 1152, pelo Papa Eugênio III. Talvez, o rei Santo Henrique II seja um dos santos mais queridos da Alemanha, ao lado de sua esposa.


quinta-feira, 12 de julho de 2012

São João Gualberto




12/07 - João Gualberto, segundo filho dos Visdonini, nasceu no ano de 995 em Florença. Foi educado num dos castelos dos pais, Gualberto e dona Villa, nobres e cristãos. A mãe cuidou do ensino no seguimento de Cristo. O pai os fez perfeitos cavaleiros, hábeis nas palavras e nas armas, para administrar e defender o patrimônio e a honra da família.

Mas a harmonia acabou quando o primogênito da família foi assassinado. Buscando vingar o irmão, João Gualberto saía armado e com seus homens à procura do inimigo. Na Sexta-Feira Santa de 1028, ele o encontrou vagando solitário, numa das estradas desertas da cidade. João Gualberto empunhou imediatamente sua espada, mas o adversário, desarmado, abriu os braços e caiu de joelhos implorando perdão e clemência em nome de Jesus.

Contam os biógrafos que, ouvido seu pedido em nome do Senhor, João Gualberto jogou a espada, desceu do cavalo e abraçou fraternalmente o inimigo. No mesmo instante, foi à igreja de São Miniato, onde, aos pés do altar, ajoelhou-se diante do crucifixo de Jesus. Diz a tradição que a cruz do Cristo se inclinou sobre ele, em sinal de aprovação pelo seu ato. E foi ali que João Gualberto ouviu o chamado: "Vem e segue-me". Depois desse prodígio, ocorrido na presença de muitos fiéis, uma grande paz invadiu sua alma e ele abandonou tudo para ingressar no mosteiro beneditino da cidade.

Nos anos seguintes, João Gualberto tornou-se um humilde monge, exemplar na disciplina às Regras, no estudo, na oração, na penitência e na caridade. Só então aprendeu a ler e a escrever, pois para um nobre de sua época o mais importante era saber manusear bem a espada. Adquiriu o dom da profecia e dos milagres, sendo muito considerado por todos. Em 1035, com a morte do abade, ele foi eleito por unanimidade o sucessor, mas renunciou de imediato quando soube que o monge tesoureiro havia subornado o bispo de Florença para escolhê-lo como o novo abade.

Indignado, passou a denunciá-los e combate-los, auxiliado por alguns monges. Mas as ameaças eram tantas que decidiu sair do mosteiro.

João Gualberto foi para a floresta dos montes Apeninos, numa pequena casa rústica encontrada na montanha Vallombrosa, sobre o verde Vale do Arno, seguido por alguns monges. O local começou a receber inúmeros jovens em busca de orientação espiritual, graças à fama de sua santidade. Foi assim que surgiu um novo mosteiro e uma nova congregação religiosa, para a qual João Gualberto quis manter as Regras dos monges beneditinos.

No início, o papa aceitou com reserva a nova comunidade, mas depois a Ordem dos Monges Beneditinos de Vallombrosa obteve aprovação canônica. Dali os missionários, regidos pelas Regras da Ordem Beneditina reformada, se espalharam para evangelizar, primeiro em Florença, depois em várias outras cidades da Itália.

Seguindo com rigor a disciplina e austeridade às Regras da Ordem, João Gualberto implantou no Vale de Vallombrosa um centro tão avançado e respeitado de estudos que a própria Igreja enviava para lá seus padres e bispos para aprofundarem seus conhecimentos. Todos oravam e trabalhavam a terra, replantando os bosques do Vale e plantando o alimento do mosteiro, por isso são considerados precursores da agricultura auto-sustentável.

Considerado herói do perdão, João Gualberto fundou outros mosteiros, inclusive o de Passignano, na Umbria, onde morreu no dia 12 de julho de 1073. Nos séculos seguintes, esses monges se especializaram em botânica, tanto assim que foram convidados para fundar a cátedra de botânica na célebre Universidade de Pavia. Enquanto isto, as de Pádua, de Roma e de Londres buscavam naqueles mosteiros os seus mais capacitados mestres no assunto.

Canonizado em 1193, são João Gualberto foi declarado Padroeiro dos Florestais, pelo papa Pio XII, em 1951.


Fonte: www.diocesedeanapolis.org.br

quarta-feira, 11 de julho de 2012

São Bento de Núrsia

11/07 - São Bento de Núrsia (c. 480 – 547), nascido em Nursia (Norcia), na Itália, foi o fundador do monaquismo ocidental. Muitas desses monásticos homens e mulheres pertencem a uma ordem cristã religiosa nomeada em sua honra, a Ordem de São Bento.

A única autêntica vida de Bento de Núrsia que está contido no segundo livro Diálogos de São Gregório (papa). Trata-se de um caráter mais do que um esboço biográfico e consiste, na sua maior parte, de uma série de incidentes milagrosos, que, se bem que ilustram a vida do santo, dar uma pequena ajuda no sentido cronológico referente à sua carreira. Tudo que São Gregório relata, foram dados repassados (contados) de seus próprios discípulos, viz. Constantinus, que sucedeu-lhe como Abade de Monte Cassino; e Honoratus, que foi Abade de Subiaco quando São Gregório escreveu seus Diálogos.

São Bento era filho de um nobre romano de Núrsia, e a tradição aceita ser ele irmão gêmeo de sua irmã Escolástica. As narrativas de São Gregório nos torna impossível imaginar que ele começou antes dos dezenove ou vinte anos.Ele era velho o suficiente para ser, no meio de seus estudos literários, para compreender do verdadeiro significado e valor da conduta libertina licenciosa e de vida de sua palavra * * desaparecidas, e que tenham sido profundamente afetada por si próprio o amor de uma mulher (ibid. II, 2). Ele foi capaz de pesar todas estas coisas, em comparação com a vida ensinada nos Evangelhos, e optou por esta última. Ele estava no início de sua vida, e tinha à sua disposição os meios necessários para ter uma carreira como um nobre romano; claramente que ele não era uma criança. Se aceitarmos a data de seu nascimento 480, podemos fixar a data do seu abandono de seus estudos e a saida de casa por volta de ano 500 da nossa era.

Bento não parece ter deixado Roma com o objetivo de se tornar um eremita, mas apenas para encontrar algum lugar longe da vida da cidade grande; além disso, ele tinha seu velho enfermeiro que era como um servo e eles se instalaram e passaram a viver em Enfide, perto de uma igreja dedicada a São Pedro, em um tipo de associação na compania de homens virtuosos que estavam em solidariedade com seus sentimentos e seus pontos de vista. Enfide, que a tradição de Subiaco identifica com a moderna Affile, está nas montanhas Simbrucini, cerca de quarenta quilômetros de Roma e dois de Subíaco.

A curta distância de Enfide é a entrada para um estreito, sombrio vale, penetrando as montanhas e conduzindo diretamente à Subiaco. Atravessando o Anio e virando à direita, os passos se elevam ao longo da face esquerda da ravina (escavação ou barranco aberto por enxurrada) , e logo chega no local da chácara de Nero e da enorme toupeira que forma a extremidade inferior do meio do lago; em todo o vale existem ruínas de banhos romanos, dos quais alguns grandes arcos e apartadas massas de parede ainda se encontram em pé. A subida da toupeira após vinte cinco arcos baixos, as bases do que ainda pode até mesmo ser rastreados, ficava uma ponte que ligava a chácara para os banhos, ao abrigo do qual as águas do lago derramavam em meio a uma grande queda lago abaixo. As ruínas desses vastos edifícios e do amplo lençol de queda d’água fechada até à entrada do vale de São Bento do jeito como ele percebia quando vinha de Enfide; nos dias de hoje o estreito vale se deslumbra diante de nós, fechada apenas pelas montanhas distantes.

O caminho continua a subir, e ao lado da ravina, no qual se pode correr, torna-se acentuada, até que alcancemos uma caverna acima da qual a montanha agora se eleva quase perpendicularmente, enquanto no lado direito, ela alcança uma rápida descida para baixa para onde, na época de São Bento, cinco cem metros abaixo, se lançava as águas azuis do lago. A gruta tem uma grande abertura de formato triangular e apresenta cerca de dez metros de profundidade. No seu caminho para Enfide, Bento encontrou um monge, Romanus, cujo mosteiro ficava acima do precipício da montanha que prendia a caverna. Romanus contara a Bento os motivos que o levaram a Subiaco, e que lhe fez vestir o hábito de monge. Por seu conselho Bento se tornou um eremita e por três anos, desconhecido para os homens, viveu nesta caverna que ficava acima do lago. São. Gregório nos conta pouco sobre esses anos. Ele agora fala de Bento já não como um jovem (fedorento), mas como um homem (viril) de Deus. Romanus, nos diz por duas vezes, que servia o santo de todas as maneiras que podia. O monge aparentemente o visitava freqüentemente, e em dias pré estabelecidos lhe trazia comida.

Durante estes três anos de solidão, quebrado apenas por ocasionais comunicações com o mundo exterior e com as visitas de Romanus, ele amadureceu tanto na mente como no caráter, em termos de conhecimento de si próprio e de seus companheiros, e, ao mesmo tempo ele se tornou não simplesmente um conhecido, mas angariou o respeito de muitos sobre si, tanto que com a morte do abade de um mosteiro, no bairro (identificado por alguns com vicovaro), a comunidade chegou-se a ele e lhe implorou para se tornar o seu abade . Bento estava familiarizada com a vida e a disciplina do mosteiro, e sabia que suas maneiras eram diferentes das da dele, por conseguinte, a partir da sua diversidade, jamais haviam concordado entre si: ainda, em comprimento, superar a sua súplica, ele deu o seu consentimento (ibid., 3) . O experimento fracassou; os monges tentaram envenenar ele, e ele retornou para a sua caverna. A partir deste momento seus milagres parecem ter se tornado freqüentes, e muitas pessoas, atraídas por sua santidade e caráter, vieram até Subíaco para receber sua orientação. Para eles ele construiu no vale doze mosteiros, em cada um ele colocou um superior com doze monges. Em um terceiro ele viveu com poucos, como ele pensava que seria mais lucrativo de serem melhor instruídos pela sua própria presença (ibid., 3). Ele manteve, no entanto, o pai ou abade de todos. Com a criação destes mosteiros começaram as escolas para as crianças, e entre os primeiros a serem levados foram Maurus e Placid.

São Bento passou o resto de sua vida realizando o ideal do monaquismo que ele havia retirado do seu Estado. Morreu em Monte Cassino, Itália, em 21 de março e foi nomeado o patrono protetor da Europa pelo Papa Paulo VI em 1964. Sua festa é consagrada no dia 11 de julho.